Curso surgiu de uma demanda da população e teve grande procura; inscrições estão abertas para curso intermediário

 

Foto: Lucas Almeida/SupCom ALE-RR

Aprender a comunicar-se com crianças e adultos surdos é o objetivo da estrangeira Maria Esperanza Bolanos, de 50 anos. Professora formada na área bilíngue na Venezuela, ele pretende avançar ainda mais em Libras (Língua Brasileira de Sinais) e ajudar no ensino de alunos deste público em especial.

Maria Esperanza é uma das alunas da primeira turma de Libras ofertada pela Escola do Legislativo – Cursos Preparatórios, da Assembleia Legislativa de Roraima. O curso foi encerrado na noite desta terça-feira (27). A instituição está com inscrições abertas para o nível intermediário, cujas aulas iniciarão na próxima quinta-feira (29), das 18h às 20h. As aulas são gratuitas.

Maria Esperanza mora há três anos no Brasil, juntamente com os filhos. Ela contou que com o conhecimento adquirido nas aulas de Libras, pretende ajudar estudantes brasileiros e estrangeiros, como uma ferramenta de inclusão social. “Esta foi uma oportunidade única, porque nos deu essa possibilidade, gratuita e tudo o que se deu aqui foi muito legal”, disse, ao afirmar que continuar na turma intermediária.

O curso básico teve duração de 30 horas, com aulas duas vezes por semana. A professora, Cláudia Borges, explica que neste período, os estudantes aprenderam noções como saudações, palavras rotineiras, o alfabeto, sinais (nome dado às pessoas através de alguma característica), e a expressar sentimentos.

“Eles já receberam as orientações básicas para uma conversa e conseguem se comunicar com surdos”, afirmou ao complementar que a didática adotada foi mais a prática, acompanhada da teoria.

Para a próxima etapa, a meta é desenvolver ainda mais a linguagem com mais sinais, canto e diálogos. “Nossos alunos são bem empenhados e gostaram bastante do curso”, frisou.

Ainda há vagas para quem deseja compor a turma de intermediário. A inscrição é feita na recepção da Escola do Legislativo – Cursos Preparatórios, Unidade Silvio Botelho, nº 1.313, das 8h às 22h. Neste caso, além de apresentar originais e cópias dos documentos pessoais, como RG, CNH ou Carteira de Trabalho, CPF e comprovante de residência, é preciso a certificação do curso básico.

De acordo com a diretora da instituição, Cristina de Mello, houve demanda da população para oferta deste curso. “Sabemos que a inclusão faz parte da vida de todos nós, principalmente na área da educação. Então a demanda foi grande, tivemos uma turma que estamos encerrando e abrindo agora a turma intermediária”, complementou.

 

YASMIN GUEDES

SupCom ALE-RR