+55(95)4009-5500
Praça do Centro Cívico, 202, Centro .

Chuvas castigam vicinais, produtores ficam ilhados e George Melo cobra atuação do Estado

Chuvas castigam vicinais, produtores ficam ilhados e George Melo cobra atuação do Estado

23 de maio de 2017

“Agora com o inverno os produtores estão isolados”, disse o deputado George Melo.

As chuvas intensas estão castigando os que moram nas vicinais do interior do Estado, porque as vicinais se tornaram intrafegáveis, engessando os colonos, impedindo-os de escoar a produção. Diante dessa situação, o deputado George Melo (PSDC) subiu à tribuna na sessão ordinária desta terça-feira, 23, para cobrar uma atuação mais efetiva do Governo do Estado.

“Neste final de semana, ao andar pelo interior do Estado, pude perceber porque a governadora não se sensibiliza com a situação dos que moram nas vicinais, mesmo realizando mensalmente o programa Caravana do Povo. Infelizmente isso acontece porque eles andam pelo asfalto, nas vilas, e não vão até as vicinais. Agora com o inverno os produtores estão isolados. Os agricultores também lembraram que a situação também era desse jeito na época em que Neudo Campos, o marido da governadora, era o governador”, lembrou George Melo.

O parlamentar ressaltou que os gêneros alimentícios encontrados nos estabelecimentos comerciais e nas feiras livres tiveram uma alta nos preços. “O custo de vida aumentou porque todos os nossos produtos estão vindo de outros estados, alimentos básicos que são produzidos no Estado e que está se estragando porque o Governo não se planejou para preparar as vicinais e as pontes para período do inverno”, criticou. “Ouve-se dizer que a governadora esteve nos municípios, mas ela não ouviu os produtores. Torço para que o carro da governadora quebre quando tiver no interior para que talvez, assim, ela entenda a dor dos agricultores”, disse George Melo.

O deputado Marcelo Cabral (PMDB) endossou o discurso de George Melo, enfatizando a importância do homem do campo para o setor econômico. “Tive o privilégio de andar todo esse Estado nesse mês de maio e vi o descaso, o despreparo desse governo em arrumar cada vicinal”, disse, ao citar as vicinais do município do Amajari, que segundo eles estão em situação caótica.

“Essas vicinais estão intrafegáveis por falta de manutenção e compromisso desse governo. Em Normando, na vicinal Transarrozeira, as pontes estão quebradas, caídas. A vicinal do Araçá da Serra está abandonada. Enquanto que a rodovia federal que liga Pacaraima a Normandia está ótima porque são recursos federais. Todas as vicinais estão uma negação. Dizer que as estradas estão boas é balela, é mentira desse governo”, complementou Marcelo Cabral, ao enfatizar que a situação é uma constante em todos os outros municípios.

O deputado Gabriel Picanço (PRB) rebateu o discurso dizendo que essa situação das vicinais é a herança perversa deixada pelo governo anterior. “No governo passado eu era presidente da comissão de agricultura e pedi nessa tribuna para interferir nas propagandas institucionais do governo, que dizia ter construído 24 mil metros de ponte no Estado, quando não era verdade. Os maiores crimes desse Estado, e que a Suely está carregando todas as cruzes, foram os empréstimos feitos, que se desconta todo mês do FPE (Fundo de Participação dos Estados) R$ 21 milhões para pagar essa dívida. As pontes feitas pelo governo passado não estão mais em pé. Mas as que dona Suely está fazendo vão durar 15 anos. Temos que dar o braço a torcer”, disse Picanço.

Melo contestou a fala de Picanço dizendo que esse não é o sentimento do povo que vive nas vicinais. “Ouvi neste final de semana, no Apiaú, as pessoas dizerem que se sentem maltratadas pelo governo por perderem a produção por falta de vicinais trafegáveis. Disseram que quando precisam de qualquer ajuda do poder público em Boa Vista, como de um hospital, é melhor não ir porque a chance de pegar uma infecção é grande. Aliás, na maternidade morreram muitos bebês na época em que o Neudo Campos era governador, e não se surpreendam se isso vier a ocorrer outra vez”, contrapôs o parlamentar.

Por Marilena Freitas

SupCom/ALE-RR

Category