Foto: SupCom ALERR
Ao fazer um esclarecimento sobre as ações desenvolvidas no âmbito da saúde estadual, para os deputados estaduais nesta terça-feira, 6, o atual gestor da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Ricardo Queiroz, falou sobre as dificuldades enfrentadas, ações a serem implementadas e disse ter identificado, durante ‘visitas surpresas’ feitas às unidades de saúde, uma “grande falta de comunicação entre os servidores” que operam no segmento, o que, segundo ele, prejudica ainda mais o sistema de Saúde, já extremamente caótico no Estado brasileiro, aliado à crise migratória.
A presença dele na Assembleia Legislativa atendeu ao requerimento do deputado Jorge Everton (MDB), que fez vários questionamentos sobre a falta de medicamentos e de manutenção de equipamentos, limpeza, leitos, cancelamentos de cirurgias, entre outros. Participaram do evento vários representantes do setor da Saúde, além da promotora de Defesa da Saúde do Ministério Público Estadual (MPRR), Jeanne Sampaio, que sugeriu uma auditoria independente para verificar onde está ‘a raiz do problema’. “O Governo vem desempenhando grande esforço para manter nossa Saúde em dia. Tenho feito visitas surpresas para saber se os profissionais estão desempenhando as atividades como deveriam estar, e disso não abro mão. Na primeira visita consegui identificar a questão da falta de comunicação entre os profissionais de Saúde, e já conversei com a diretora do HGR (Hospital Geral de Roraima) para melhorar essa situação”, disse.
Jorge Everton questionou a falta de materiais básicos como luva e soro. “Preciso do apoio das categorias porque estive nos blocos e vi soro de 500ml sendo usado para diluir medicamentos. Indaguei o motivo e a funcionária disse-me que era por falta de diluente. Porém, naquele mesmo dia havia visto diluente no depósito. Então, precisamos trabalhar também junto às pessoas que estão usando o material, é um trabalho de conscientização dentro da unidade”, disse o secretário, ao salientar que está chegando uma quantidade expressiva de medicamentos e que os processos licitatórios em andamento devem abastecer, inclusive parte do próximo ano.
Alguns questionamentos feitos pelos deputados George Melo (DC) e Lenir Rodrigues (PPS) tiveram respostas evasivas. George Melo questionou o motivo de algumas empresas passarem até seis meses para receber, enquanto que outras recebem em dias. “E a empresa que faz manutenção do raio-x, que está quebrado, ainda continua recebendo por serviços não prestados? E os aviões cheio de remédios que o Governo anunciou ter chegado, onde estão os medicamentos?”, indagou.
Da mesmo forma, Lenir questionou o montante em dinheiro relativo aos convênios e emendas parlamentares, e o que está sendo viabilizado com os R$ 6 milhões da emenda de bancada estadual, aprovada no ano passado. “Qual a previsão de cirurgia ortopédica, principalmente de joelho? E por que na Cavarana do Povo não falta material, enquanto falta no hospital?”, disse.
O secretário disse que está fazendo um levantamento para identificar onde estão os repasses das emendas e que precisaria saber quais materiais são usados na Caravana. “Quanto aos pagamentos das empresas estamos viabilizando de forma equilibrada para garantir o serviço. Tivemos vários bloqueios judiciais na conta da Sesau, e em 30 dias não se consegue fazer fluxo de caixa. E as empresas que não prestam serviços a contento estamos notificando”, disse.
O deputado Brito Bezerra (PP), líder do Governo na Assembleia Legislativa, perguntou sobre a possibilidade de extinguir a cooperativa. “A Sesau foi usada e abusada em todos os governos para privilegiar alguns apaniguados, sempre foi assim. O superfaturamento de notas sempre aconteceu e na Saúde, além de crime é desumano porque se tira vidas. Não podemos dispensar essa cooperativa?”, perguntou.
Queiroz respondeu que a cooperativa é para contratar os médicos com especialidades que não têm no quadro da Sesau.  No total, a folha de pagamento mensal é de R$ 37, 8 milhões, sendo que R$ 27 milhões é a folha bruta dos servidores efetivos, enquanto que R$ 10,8 milhões vai para cooperativas.“Estou fazendo um trabalho de transparência, para disponibilizar no Portal da Saúde onde é que estão lotados todos funcionários. Mandei ofício para todas as unidades de saúde pedindo essa informação, e recebi retorno de duas unidades. Doa a quem doer. Estou fazendo esse levantamento e aqueles profissionais que não estiverem em seus postos de trabalho, serei o primeiro a vir aqui mostrar”, garantiu.
Marilena Freitas
SupCom ALERR