Uma força tarefa será criada para resolver a questão da migração venezuelana. Foi o que afirmou o presidente da República, Michel Temer (PMDB), durante reunião no Palácio Senador Hélio Campos, no início da tarde segunda-feira, 12, com a presença de ministros, parlamentares, prefeitos, entre outras autoridades de Roraima.

O presidente da Assembleia Legislativa de Roraima, deputado Jalser Renier (SD), aproveitou para reforçar junto a Michel Temer o pedido de uma solução imediata para a problemática energética e ainda para a cancela na BR-174, que impede o trânsito entre os estados de Roraima e Amazonas, por 12 horas todos os dias. “É preciso resolver a questão energética, interligando Roraima ao SIN (Sistema Interligado Nacional) por meio do Linhão de Tucuruí, e que seja retirada da corrente que fecha a BR-174 por 12 horas, a partir das 18h até às 6 horas. São questões que travam o desenvolvimento do Estado e que precisam ser resolvidas também”, pontuou.

Sobre a crise migratória, principal pauta da reunião de hoje, Jalser disse que as ações apresentadas precisam ser colocadas em prática o mais rápido possível. “Entendemos a situação que os irmãos venezuelanos estão passando. Não é fácil deixar seu país por conta de um governo ditador que está massacrando o povo que passa fome, que necessita de médico, de segurança. Roraima é um Estado hospitaleiro, mas que sozinho não tem condições de assumir uma responsabilidade dessa envergadura”, disse.

Temer respondeu a Jalser que não vai descansar enquanto não solucionar essas demandas de Roraima e prometeu solucionar a situação dos refugiados, mas adiantou que esse trabalho será realizado em parceria com o Governo do Estado, com a liberação de recursos para amenizar os problemas que têm reflexos diretos nos serviços públicos, por conta do grande número de atendimentos aos venezuelanos, a exemplo da Saúde.

Durante a reunião foi lido um documento com sugestões de ações a serem tomadas em razão da crise migratória como, por exemplo, que se instale scanner veicular na fronteira Pacaraima/Venezuela, para evitar a entrada no país de drogas e de armas.

Temer anunciou ainda a criada, em poucos dias, de uma força tarefa, com um grupo chefiado por um oficial general do Exército brasileiro e terá a participação dos ministérios do Desenvolvimento Social, Integração, Saúde, Forças Armadas e da Justiça.

Também será montado um hospital de campanha em Pacaraima, com a finalidade de atender os venezuelanos que precisarem de atendimento médico, desafogando assim a rede pública de saúde estadual e municipal, e enviará a Roraima 32 homens da Força Nacional de Manaus, para dar apoio na segurança ostensiva.

O presidente garantiu também que dará apoio aos refugiados no aprendizado da língua portuguesa e validação de diplomas com capacitação de ensino superior, para que os venezuelanos possam ser inseridos no mercado de trabalho. Para minimizar os impactos do processo migratório desenfreado pretende investir na interiorização de venezuelanos para outros estados brasileiros, também a ser iniciado nos próximos dias.

Élissan Paula Rodrigues

Edilson Rodrigues

SupCom ALERRR