Representantes da Procuradoria Especial da Mulher, instituição ligada à Assembleia Legislativa de Roraima, estiveram na Defensoria Pública do Estado (DPE) nesta segunda-feira, 13, para tratar sobre mais uma parceria entre os Poderes e, assim, ampliar os serviços para garantia de direito das mulheres. Essa iniciativa faz parte do projeto da Defensoria ‘Diálogos na Sala de Espera’.

A procuradora especial adjunta da Mulher, Sara Patrícia Farias, esteve reunida com a defensora Geral do Estado, Terezinha Muniz, para apresentar os projetos e programas desenvolvidos dentro da Procuradoria, como o Chame (Centro Humanitário de Apoio à Mulher), o Núcleo de Promoção, Prevenção e Atendimento às Vítimas de Tráfico de Pessoas, o Núcleo Reflexivo Reconstruir (direcionado a atender os homens agressores), o Papo Reto, entre outros.

A parceria, segundo Sara Patrícia, visa atender ao público da DPE que procura a instituição para auxílios judiciais e, além disso, receberá informações sobre violência contra a mulher, exploração sexual, questões sobre suicídio e autoestima. O Termo de Cooperação Técnica ainda será assinado entre as instituições.

“Iniciamos as conversações hoje para ampliarmos essa parceria e que possamos estar mais presentes nos lugares onde o Chame estiver”, afirmou a defensora geral, Terezinha Muniz, e reforçou a importância de atingir mais pessoas com informações e prevenção a violência doméstica. “Com certeza, quem vai ganhar com isso é a população mais carente que precisa mais e mais de instituições preocupadas”, complementou.

As duas instituições são parceiras no trabalho de homologação de acordos judiciais, juntamente com o TJRR (Tribunal de Justiça de Roraima), quando, a cada 45 dias, a defensora pública Elceni Diogo acompanha as audiências para homologações desses acordos realizados no Chame.

“As instituições precisam trabalhar juntas, somar ações para garantirem resultados mais satisfatórios. E é nessa perspectiva que estamos trabalhando, de ampliar as parcerias para levarmos mais informações, mais educação em direito e também trabalhar a prevenção”, frisou Terezinha.

Terapia – Outra instituição a atuar junto a Procuradoria Especial da Mulher será a Faculdade Cathedral, localizada no bairro Caçari, zona Leste de Boa Vista. A proposta, explicou Sara Patrícia, é utilizar a clínica de psicologia da instituição de ensino para realizar acompanhamento às assistidas pelo Chame.

“De iniciativa da própria Cathedral, a clínica de psicologia formulou e já está atuando em um grupo de terapia para as mulheres, chamado ‘ELAS’ e muito nos interessou porque estaremos fazendo um trabalho de parceria com a faculdade, quando encaminharemos as nossas mulheres para terapia”, explicou Sara Patrícia. Esses encaminhamentos acontecerão a partir de fevereiro do próximo ano, no Fórum Criminal.

Com base nessa proposta, a ideia é realizar ainda um grupo de terapia para os alunos do ensino fundamental atendidos pelo projeto ‘Papo Reto’. “A procuradoria mantém o seu papel de aproximação da rede, de zelar pelos direitos das mulheres e essa é uma preocupação nossa e da presidência dessa casa também”, complementou.

Por Yasmin Guedes

SupCom/ALE-RR