Os policiais militares que atuam diretamente no Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas) irão receber uma homenagem da Assembleia Legislativa do Estado de Roraima (ALERR), pelo relevante trabalho que desenvolvem na rede pública de ensino, informando e orientando os adolescentes sobre o perigo e as consequências que têm ao se envolverem com drogas ilícitas.
O projeto de decreto legislativo que concederá a comenda Orgulho de Roraima aos policiais militares é de autoria dos parlamentares Mecias de Jesus (PRB) e Ângela Águida Portela (PSC). “O Proerd é um projeto de excelência porque vai até as escolas ensinar às crianças a postura de cidadania, de comportamento, forma de se vestir, atitude diante à sociedade, a se cuidarem e serem reativos quando estiverem frente a uma ameaça. É um programa que prepara muito bem e por isso precisamos homenagear homens e mulheres da corporação que fazem esse trabalho magnífico”, justificou a deputada Angela.
No total, 38 militares serão agraciados com a homenagem, que é considerada a maior comenda do Poder Legislativo. O Proerd é um programa do Governo do Estado executado pela Polícia Militar (PM) em parceria com as famílias e a comunidade escolar, oferecendo atividades educacionais em sala de aula, tendo como foco a prevenção ao uso e o abuso de drogas.
“A ênfase desse programa está em auxiliar os discentes a reconhecerem e resistirem às pressões diretas e indiretas que os influenciarão a experimentar álcool, cigarro, maconha, inalantes ou outras drogas, ou mesmo a se envolverem em atividades violentas”, afirmam os parlamentares na justificativa do projeto.
O Proerd foi implantado em Roraima no ano 2000 e já formou mais de 75 mil alunos de inúmeras escolas estaduais. “Tal programa vem se mostrando de vital importância na formação de nossos jovens, preparando-os para resistir a um dos piores problemas existentes no mundo atual. A atuação dos instrutores se mostra de relevante interesse público, uma vez que, em diversas escolas onde o Proerd está implantado há registros da redução do número de confusões entre os alunos”, reforçou a parlamentar.
 
Por Marilena Freitas
SupCom/ALE-RR